Cuidando de nós

Queridos colegas,

 Na segunda feira do dia 13 de julho, nos reunimos para refletir sobre como os “excessos”, após 4 meses de quarentena por conta da pandemia do Corona vírus, vêm influenciando nossas vidas, a dos nossos familiares e amigos.

Neste dia muitos foram os aprendizados e reflexões que surgiram, nos proporcionando um grande conhecimento sobre o que temos vivido nos últimos tempos, e descobrimos que com o passar dos dias em isolamento, além dos “excessos”, muitas “faltas”, “desafios” e “consequências”, passaram a fazer parte das nossas vidas. Contudo, recursos e habilidades apareceram também! E foi pautado no entendimento de que as ideias e possibilidades podem qualificar nossas vidas em tempos difíceis, que nos inspiramos a escrever este documento.

Dentre os excessos encontramos…

Excessos de comida, de bebida, de informações, de desinformações, de incertezas, de escolhas, de controle, de estresse, de queixas … e ainda apareceu o excesso de convivência com a família, que para muitos de nós, foi mais uma situação nova a ser administrada.

Constatamos também que os excessos têm visitado o nosso ambiente de trabalho, e que em alguns momentos nos ajuda, mas que em outros nos sobrecarrega…

Que existem excessos de todos os tipos…  de telas de TV, de computador, de atendimentos online, de participações em Lives, de cursos e eventos, e estes reivindicam quase sempre, uma grande busca de aprendizado e dedicação diante de tantos recursos tecnológicos que promovem a nossa conexão.

Percebemos também que as faltas podem acompanhar os excessos

Que entre muitos de nós, o excesso de saudade vem da falta da presença das pessoas queridas a sua volta, do convívio social, do contato físico e do afeto de parentes e amigos.

Que a ausência das pessoas que nos dão suporte nos cuidados com a casa, nos gera mais excesso de trabalho e sobrecarga.

Que por um lado temos tido excesso de tempo, silêncio e reflexão e que por outro lado, temos tido a falta de tempo. E que os desafios e decisões impostas pelo momento presente, associados ao descuido de muitas instituições, pode nos proporcionar ainda mais sobrecarga diante de tanta confusão.

Que a falta de uma caminhada por dia ou de uma atividade física, pode contribuir ainda para mais cansaço e exaustão.

Que entre muitos de nós, a mudança da rotina de vida nos trouxe novos hábitos como o de “dormir mais tarde”, ou novas condições como a da vivência de solidão por morar sozinha.

Que os excessos e faltas, estão acompanhados de sentimentos e sensações

Que o excesso de emoção, de medos, angústias e ansiedades, podem amplificar questões que já existiam, levando-as tanto para o bem como para o mal. 

E assim sendo, nossas mentes estão repletas de questionamentos e desafios.

O que podemos fazer diante de toda essa situação?

Como ajudar meus familiares, amigos?

Como me ajudar? Como refletir sem me cobrar?

Como minimizar os riscos sem transgredir? Flexibilizar ou não? Será que toda essa higienização é necessária? Que protocolos ainda valem? Será que podemos confiar na notícia de que o vírus é transportado pelo ar? Será que vão aumentar o número de casos de TOC?

Será que eu vou ter que sempre por conta própria avaliar e decidir sobre como agir na pandemia?

Contudo, ganhos e oportunidades também foram são notados

Muitos de nós considera que esse momento está sendo precioso para os relacionamentos e, por consequência, de ouro para terapia de família!

A busca por mais conexão, parece ter permitido que amizades passadas fossem retomadas e amizades presentes fortalecidas!

Existem também aqueles que reconhecem o valor desse momento por estarem tendo acesso a tanto conhecimento e ensinamento nesse período. Eles se sentem fazendo uma verdadeira “pós-graduação de quarentena”! O fato de buscarmos nos manter conectados apesar do distanciamento, nos trouxe diversas ofertas de estudo com profissionais que antes não conhecíamos, o que em paralelo, parece ter nos emancipado em 10 anos de avanço tecnológico!

O entendimento de que tudo isso que estamos vivendo está nos obrigando a buscar novas estratégias para nossas vidas, o que parece estar nos deixando mais criativos, buscando diferentes alternativas para melhor vivermos esse momento.

Para alguns de nós a criatividade tem nos ajudado a aliviar e marcar os dias da semana e finais de semana. Nos ajuda a criar eventos virtuais com jantares a luz de velas, com roupas de festa, sem contar nos passeios de carro garantidos pela orla do Rio.

Ou seja, parece que a CRIATIVIDADE tem se apresentado como peça chave para driblarmos as inúmeras dificuldades! Para buscarmos o equilíbrio interno entre o viver e o conviver, para trabalhar em casa, para um olhar mais atento para si, para reavaliar o nosso lugar na vida e no mundo. Para buscarmos melhores formas de nos aprofundarmos espiritualmente, exercitarmos a compaixão e a solidariedade, na tentativa de cuidarmos da nossa humanidade!

Com muito carinho,

Cuidando de Nós

Comissão Científica da ATFRJ