Dia Mundial de Conscientização do Autismo 02/04

Opções Nasceu e …

Quando um filho nasce as expectativas e os desejos são grandes. Cada dia é de um olhar para as novas aprendizagens, as novas descobertas do filho.

De repente, tudo muda e as descobertas são outras.

Meu filho foi diagnosticado com “Transtorno do Espectro Autista”

A casa cai! É um momento difícil para os pais e familiares. A partir daí os pensamentos e as ações passam a priorizar o entendimento do que é esse transtorno.

Surge um emaranhado de sensações e sentimentos: tristeza, dúvidas, incertezas, raiva, culpa, angústia, medos, afeto, força, orgulho, desafios, superação, etc…

A família e, principalmente, os pais passam por fases de: negação, conscientização, aceitação, apreciação, ações e por último “alívio”.

As transformações do casal e de toda família começam a acontecer. Surge a elaboração de estratégias de enfrentamento da situação, com a necessidade de muitas adaptações emocionais, profissionais, sociais e práticas. Há necessidade de auxiliar aquela criança a viver no mundo e com o mundo.

O Espectro autista é de ampla extensão, apresentando diferentes níveis. Atualmente, é muito discutido, alertando sobre mitos e verdades a respeito.

Pais e familiares precisam estar sempre atentos aos primeiros sinais de que algo está diferente no desenvolvimento do filho, seguindo a observação e intuição.

Vale ressaltar a importância do diagnóstico precoce, e logo a seguir, a implementação de um trabalho multidisciplinar em parceria com a família, escola e profissionais da área.

Cada autista é único, com suas particularidades e características sutis, que necessitam ser percebidas, compreendidas e exploradas.

Muito importante a família ter um acolhimento e acompanhamento frente às mudanças e adaptações que irão passar ao longo do tempo. A família não se submeter ao transtorno, mas exercer a tolerância, sensibilidade e flexibilidade para enfrentar os desafios do cotidiano.

Alguns meios sugeridos por profissionais e pais referem-se a importância do envolvimento de todos os membros da família, a expansão das redes sociais específicas ou não, maior conhecimento sobre o autismo, estreitamento e fortalecimento dos laços familiares, proporcionar vivências ao filho autista, falar sobre as emoções, regras e rotinas bem definidas, entre outros.

O autista nos ensina muito com sua sensibilidade, amorosidade  e conquistas ao longo da vida. Eles nos ensinam a nos reinventarmos como pessoas e como pais.

Ser pai e mãe de autista é interpretar os olhares e entender o silêncio

– Gretchen Stipp

katiana

Katiana V. Gutierrez

Fonoaudióloga, psicopedagoga, terapeuta de casal e família.
Associada titular da ATF-RJ

DEPOIMENTO

Ter uma criança diagnosticada com Autismo afeta toda família.

Haverá impacto direto nas finanças, na saúde mental de todos envolvidos, na relação afetiva do casal e etc. Pais de crianças no espectro estão mais suscetíveis a problemas de saúde mental como ansiedade e depressão. A vida social fica limitada. Na maioria das vezes amigos e familiares se afastam, e casamentos se desfazem. O índice de suicídio é alarmante. Eu mantenho uma rotina de exercício, uma linha direta com minha terapeuta, muita leitura e bom humor. Há vida feliz após o diagnóstico. Para isso a sua “Tribo” se fará necessária. Terapeutas, médicos, e amigos serão essenciais na caminhada.
Ivy Guedes
Mãe do Theo, Autista não verbal aos 9 anos de idade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *